Mario Eugênio Saturno


Divórcio e religião nos EUA

Um estudo feito pelo “Public Religion Research Institute” (Instituto Público de Pesquisas Religiosas) mostrou que mais filhos de pais divorciados tornaram-se adultos sem religião do que os que não se divorciaram.

As taxas de divórcio subiram para os níveis mais altos de todos os tempos nos anos 1980, quando cerca de metade de todos os casamentos terminaram em divórcio. E nos dias atuais, os americanos estão rapidamente tornando-se menos religiosos. Desde 1972, a proporção de americanos que dizem não aderir a qualquer religião em particular aumentou de 5% da população para 25%.

A pesquisa mostrou ser significante a diferença entre as pessoas cujos pais se divorciaram quando eram crianças, ou em números, 35% dos filhos de pais divorciados disseram aos pesquisadores que agora não são religiosos, enquanto que 23% das pessoas cujos pais eram casados quando eram crianças não são religiosos.

Um dado que até assusta, pois apenas 9% dos norte-americanos relataram que foram criados em um lar não religioso. Dos entrevistados, 13% dos adultos mais jovens relataram que cresceram sem uma identidade religiosa, já para os idosos, esse número é de 4%.

Entre os que tinham uma identidade religiosa quando crianças, 19% tornou-se sem religião quando se tornou adulto. O inverso ocorre também, foram 3% dos americanos que declararam que foram criados sem nenhuma identidade religiosa, mas tornaram-se religiosos quando adultos. O resultado dessa dinâmica é que 16% deixaram de ser religiosos.

Enquanto protestantes não-brancos e grupos religiosos não-cristãos permaneceram razoavelmente estáveis, protestantes brancos e católicos sofreram declínios, com os católicos sofrendo o maior declínio entre os principais grupos religiosos: uma perda geral de 10%. Quase um terço (31%) dos americanos relatou que foi criado em uma família católica, mas apenas 21% dos americanos identifica-se como católico atualmente. Treze por cento dos americanos relatam ser ex-católicos, e 2% dos americanos deixaram sua tradição religiosa para se juntar à Igreja Católica.

Nos anos 1980, apenas 10% dos adultos jovens (com idades entre 18 e 29 anos) não seguiam uma religião e somente 3% entre os idosos (com 65 anos ou mais). Nos anos 2000, saltou para 20% dos adultos jovens que não seguiam uma religião e 5% entre os idosos. Hoje, já são 39% dos adultos jovens e 13% dos idosos. Entre os adultos jovens foi um salto de quatro vezes.

A maioria dos americanos (62%) que deixam de se identificar com a religião, o fazem antes de completarem 18 anos, 28% deixaram entre 18 e 29 anos, 5% entre 30 e 49 anos e apenas 2% com 50 anos ou mais.

As razões pelas quais os norte-americanos abandonam a religião da infância são: pararam de acreditar nos ensinamentos da religião (60%), sua família nunca foi tão religiosa quando estavam crescendo (32%) e os ensinamentos religiosos negativos sobre gays e lésbicas (29%). Foi ainda apontado pelos entrevistados, o escândalo de abuso sexual do clero (19%), ou sua congregação se tornando muito focada na política (16%).

É informação para fazer pensar todo pastor no que tem feito pela inclusão dos separados e dos filhos desses pais.

Mario Eugenio Saturno (cientecfan.blogspot.com) é Tecnologista Sênior do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e congregado mariano.

Fonte: - Postado em 20/11/2018



Copyright 2018 - Todos os Direitos reservados