Grupo organiza passeata em Quatiguá contra feminicídio após segunda vítima morrer em 2019


Familiares, amigos e apoiadores sensibilizados com a morte de Luciane Rita, 30 anos, irão realizar no próximo sábado 13, em Quatiguá, uma passeata contra o Feminicídio. A assistente administrativo Luciane Rita, é a segunda vítima neste ano no município, onde o ex-marido é suspeito de matá-la e botar fogo em carro com corpo dentro. Em fevereiro, a dona de casa Camila Domingues Borges, de 28 anos foi assassinada pelo ex-companheiro com um botijão de gás. Dois crimes bárbaros que revoltaram a população da pequena Quatiguá, Norte Pioneiro do Paraná.

O corpo de Luciane até esta terça-feira (09) estava no IML de Londrina, mas informações ainda não confirmadas, teria sido transferido para Curitiba e a família aguarda a liberação para poder realizar o sepultamento. O suspeito continua preso na carceragem da delegacia da Comarca de Joaquim Távora.
O grupo começou a se organizar logo após a confirmação da morte de Luciane.
Por meio das redes sociais e o aplicativo Whatsapp, confirmam a passeata para este sábado, dia 13 saindo da Prefeitura Municipal (Av. Dr. João Pessoa, 1300 - centro) percorrendo o trecho da avenida principal. 
Estão sendo confeccionados cartazes e lenços coloridos para os participantes com o auxílio de colaboradores. O grupo denominado "Luta Contra o Feminicídio" quer contar ainda com uma repercussão maior dos veículos de comunicação, além de empresários, lideranças políticas, sociais e religiosas.
O intuito maior do grupo é a conscientização sobre o Feminicídio, a Lei Maria da Penha, o Disk 180 para denúncias de violência contra a mulher e principalmente, uma homenagem póstuma a Luciane Rita. Além disso, convocam a participação de toda a região nesta causa, e quem puder ir e colaborar, que usem preferencialmente roupas pretas.

Fonte: Simone Chiusoli - JRDiario - Postado em 10/07/2019



Copyright 2019 - Todos os Direitos reservados